17 de ago de 2011

GERAIS

A ESTAÇÃO DA MELANCIA

A história da ferrovia no RN começou no ano de 1870, com a construção das primeiras estradas de ferro e estações. A partir de 1939 (e até 1957) a Estrada de Ferro Sampaio Correia controlou os trens no RN. De 1957 até 1975 foi a Rede Ferroviária do Nordeste que iniciou o período do transporte de passageiros, continuado até o início dos anos 90 com a RFFSA – que iniciou e concluiu o maior ciclo do transporte ferroviário do Brasil.

O setor ferroviário também teve grande destaque com o escoamento de cargas e produção agrícola de vários municípios das regiões onde o trem passava. Mas foi o transporte de passageiros o mais importante prestador de serviço às populações das regiões do Mato Grande, Salineira e Central - numa época em que estradas eram escassas e carro era um privilégio de poucos.

A camarense Margarida Alexandrino (70) lembra, com saudade, do tempo em que o trem era a maior atração da cidade de João Câmara e região. Ela diz que o trem era o meio de transporte de feirantes, professores, médicos, juízes, fazendeiros e de pessoas comuns. Idosos, adultos, crianças e adolescentes andavam de trem com frequência e as paisagens ao longo da viagem eram muito bonitas. “No trem, era possível viajar e ainda transportar grandes cargas pra lá e pra cá. Hoje, isso não é mais possível”, lamenta Da. Margarida.

Estação da Melancia - ruínas
Já a poço-branquense Sebastiana Rocha (74) afirma que o trem deixou muitas histórias durante o tempo em que foi o único meio de chegar a capital do Estado para compromissos médicos, trabalho, compras e outras atividades - ocasião em que muitos conterrâneos procuravam a residência do ex-prefeito, José Francisco de Souza. Ela garante que, apesar de todas as dificuldades da época, a tarifa média cobrada era convidativa e as viagens eram sempre agradáveis. Da. Sebastiana conta que saía do povoado de Cravolândia, a cavalo ou a pé, por volta das 8h da manhã para “apanhar” o trem na Estação da Melancia (às 10h).

A Estação da Melancia não deixou saudade apenas em Da. Sebastiana. Sem opções de transporte, quem morava nos distritos da Pouza, Lagoa do Juazeiro, Acauã, Xavier, Serrote, Jerimum, Fazenda Gangorra, Samambaia, Baixos, Contador e Cravo optavam por embarcar no trem na Estação da Melancia. Na Estação do Corte Grande, a próxima, embarcavam os passageiros residentes em Poço Branco Velho, Santa Fé, Arisco dos Barbosas, Poço do Antônio e outros povoados adjacentes.


A viagem até Natal, com duração média de 4 horas, incluía ainda paradas em Taipu (foto acima), Pitombeira, Ceará Mirim, Extremoz e Natal (Ribeira). Da. Sebastiana conta que perdeu as contas de quantas vezes fez este percurso, mas confirma que a ida era mais tranquila, através do Trem do Horário, que chegava a Natal por volta das 14h – se não houvesse atrasos. Já a volta até Cravolândia era feita em outro trem: o Motriz. O retorno durava mais de 5 horas, iniciado por volta das 16h, com chegada a Melancia após as 21h. Assim como do sistema ferroviário potiguar, da Estação da Melancia restam apenas saudades e ruínas que estão entre o Assentamento Melancia e a BR-406.

DESAFIO

Nesta segunda-feira (15), um combinado de amigos de Poço Branco foi a até a cidade de João Câmara para uma partida amistosa contra a equipe da Secretaria de Esporte e Lazer de João Câmara. O local do jogo foi o Ginásio Manoel Lucas de Araújo e se mostrou bastante movimentado.

A equipe camarense, comandada pelo ex-atleta profissional de futsal, Micharles Nunes, goleou os poço-branquenses pelo placar de 10 a 5. Na próxima segunda-feira (22), o jogo de volta será realizado no Ginásio Caxiadão e a equipe de Poço Branco promete tirar a diferença.


Equipe de Poço Branco: Mauricio Dantas (G), Cristovam, Murilo, Elian, Ivan, Elson, Marcelo, Tico e Junior Caju. Equipe de João Câmara: Genário (G), Micharles, Gean, Torrado, Valmir, Aladin e Aldo.

4 comentários:

Laeson disse...

Daniel, Não são só os mais velhos que sentem saudades do trem, pois, hoje com 46, também sinto muita saudades de quando RFFSA, estava trabalhando na reforma do Corte Grande,e o trem transportava material vindo das bandas de J. Câmara. Então eu, meu irmão Lula e os amigos Eudinho, Genival de Jorge Branco, Valdeci Domingos, Nego da Pestana e outros, íamos até o Torrinhão dos barbosas, para pegar MORCEGO nos trens. Do Torrião até a porteira da fazenda de Sr. Gonçalo. Isso era uma festa. O perigo, só hoje imaginamos isso. Os pais e mães nunca sonharam. Mas que era uma farra, isso era. Bons tempos. Quem é poçobranquence, sabe o que é pegar morcego. (carona oculta).

Mariinha disse...

Laeson será que em vez de Torrião você não quis dizer "Pontião"?

Laeson disse...

Muito Obrigado Mariinha,pela correção. É isso mesmo.

Ralph Mennucci Giesbrecht disse...

A estação de Melancias fica no munuicípio de Poço Branco?

Grato, Ralph